23 de novembro de 2018

O começo da paixão


Não sei dizer a hora e o dia exato que essa paixão começou, mas foi na infância que me apaixonei pelas trilhas!
Eu era criança e meus pais tinham uma chácara. Neste local havia uma mata nativa, mas nós, crianças, éramos proibido de ir lá sozinhos. Em raras ocasiões, meu pai e minha mãe nos levavam nessa região do sítio. Lembro deles contando que os cavalos e as vacas entravam na mata e se perdiam, portanto, seria um local perigoso.
Entretanto, eu tinha um tio que reunia a criançada, 6 ou 7 sobrinhos, e nos guiava até lá.
Em grupo, caminhávamos no campo. Íamos conversando, descendo morrinhos, subindo pedras, rolando nos barrancos, curiosos em direção a essa reserva florestal.
Ao chegarmos naquele lugar tão misterioso, ele nos agrupava para uma conversa. Dizia: “olha, temos que ficar todos juntos, para não nos perdermos, eu vou na frente e vocês me sigam. Cuidado onde pisam e o que seguram. Aqui, podemos encontrar cobras, aranhas, plantas estranhas.” Um de nós perguntava: aqui tem plantas carnívoras?”. E ele, com um sorriso maroto, respondia: “É claro que tem!”
Para nós, era uma verdadeira aventura!

Ao entrar na mata, meu coração disparava. Um universo novo se abria! Um mundo de muitas tonalidades de verde! Sentia o cheiro da terra úmida e de intensa cor preta, o frescor da sombra, o barulho do riacho, o assobio dos pássaros, uma variedade de plantas que nunca tinha visto. E pronto!!!! Uma conexão imediatamente estava instalada entre o meu coração e a natureza.
Imensa era a vivência e minha imaginação. E, embora essa mata nativa não fosse grande, em minha pequenez de criança, a via enorme.
Depois que entrava lá, o queria mais sair, queria ficar, mais e mais! Por muito tempo encantada, de forma que nunca me pareciam suficientes os momentos passados ali.
Creio que foi com essa experiência na infância que fiquei, definitiva e eternamente, apaixonada pelas trilhas!!!!
Por meio dela, descomunal foram as possibilidades plantadas em meu coração, uma paixão que se instalou em mim e carreguei para a vida adulta. Sempre reacendendo minha memória afetiva.
Atiçou meu fascínio e curiosidade por toda a profusão que a natureza pode me proporcionar.
Hoje sou uma trilheira em busca de muitas outras matas, campos, pedras e riachos.
Um amor incondicional!





2 comentários:

  1. Me identifiquei muito com o texto porque também sou apaixonada por trilhas.

    ResponderExcluir

Mais lidos